sábado, 3 de março de 2018

O DESESPERO NA HORA DA MORTE PELO PECADO DA PERDA DE TEMPO


_*Quanto será desejado na morte o tempo que se perde agora!* Conta São Gregório, nos seus Diálogos, que um homem rico, mas de maus costumes, chamado Crisâncio, estando a ponto de morrer, gritava aos demônios que lhe apareciam visivelmente para se apoderar de sua alma: “Dai-me tempo, dai-me tempo até amanhã.” Respondiam os demônios: “Ó insensato, é nesta hora que pedes tempo? *Tiveste tanto tempo e perdeste-o, empregaste-o a pecar,* e agora é que pedes tempo? Já não há mais tempo.” O desgraçado continuava a gritar e a pedir socorro. Próximo dele achava-se um seu filho chamado Maximo, que era monge. Dizia-lhe o moribundo: “Socorre-me, filho, meu caro Maximo, socorre-me!” No entanto, com o rosto chamejante, volvia-se de um para outro lado do leito, e nesta agitação e gritos de desespero, expirou desgraçadamente."_

*Santo Afonso Maria de Ligório*

Nenhum comentário:

Postar um comentário