quarta-feira, 19 de setembro de 2018

CADA AVE MARIA DO ROSÁRIO É UMA ROSA

Conta a história que um irmão leigo (não sacerdote) da Ordem dos Dominicanos, não sabia ler nem escrever, logo não podia ler os Salmos, como era costume nos mosteiros da época. Então, quando ele terminou seu trabalho à noite foi para a Capela do Convento e se ajoelhou na frente da imagem da Virgem Maria, e recitou 150 Aves Maria (o número dos Salmos), a seguir se retirou para a sua cela para dormir. Na manhã seguinte, ao amanhecer, foi para a Capela para repetir o hábito de saudar a Virgem.

O Superior observava a cada dia, que ao chegar à Capela para celebrar as orações da manhã com todos os Monges, havia um aroma delicioso de rosas recém-cortadas, bem ornamentadas nos vasos, belíssimas e bateu-lhe a curiosidade. Perguntou a todos os encarregados de decorarem o altar da Virgem sobre tal aroma, tão bom, e para sua surpresa, não obteve nenhuma resposta, assim como, soube também que nenhum deles retirava rosas do jardim.

O irmão leigo ficou gravemente doente, e os outros monges notaram que o altar da Virgem não tinha as rosas habituais, logo deduziram que ele era o irmão que colocava as rosas. Mas como? Ninguém jamais o havia visto deixar o convento e tampouco sair para comprar tão belas rosas.

Entretanto, certa manhã, todos os Monges presenciaram espantados, o irmão leigo ajoelhado diante da imagem da Virgem, recitando as Ave-Marias, e ao recitar cada AVÉ MARIA para Nossa Senhora, uma rosa aparecia no vaso. Nesse dia, no final de suas 150 AVÉ MARIAS, caiu morto aos pés da Virgem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário